Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Atividade realizada com alunos da 7ª Série Matutino na disciplina História


Apresentação teatral dos alunos da 7ª Série Matutino sob a orientação da professora Ana Paula cunha na disciplina de História como resulta das discussões em sala de aula sobre a temática “Escravidão”. Além da peça teatral, os alunos produziram paródias, acrósticos, cartazes e poesias.
Segundo os alunos, o trabalho foi muito bacana!

Paródia

Os negros já pediu socorro, à escravidão já não existe mais
AI,AI,AI,AI,AI... as chibatadas doíam de mais.
Passavam sede e passavam fome e até hoje sofrem preconceito
 AI,AI,AI,AI,AI...  assim fica difícil, difícil de mais.
Trabalhavam, trabalhavam de mais, nos cafezais e nos canaviais
AI,AI,AI,AI,AI... voltavam pra senzalas para sofrerem mais.
Eram vendidos quando não prestavam mais, ficavam velhos ou doentes de mais
AI,AI,AI,AI,AI... eles sofriam, sofriam de mais.
Grupo 01
Fonte: Profª Ana Paula

Biografia e Bibliografia de Ariano Suassuna









Alunos do 9º ano A e B do turno matutino do IESFA apresentam biografia e bibliografia de Ariano Suassuna nas aulas de Dramaturgia na disciplina de Artes, ministrada pela professora/arte educadora Cíntia Alves.

Ariano Vilar Suassuna nasceu em João Pessoa, aos 16 de junho de 1927, filho de Cássia Villar e João Suassuna. No ano seguinte, seu pai deixa o governo da Paraíba e a família passa a morar no Cariri, na Fazenda Acauhan, em Taperoá.
Com a Revolução de 1930, seu pai foi assassinado por motivos políticos no Rio de Janeiro e a família mudou-se para Taperoá, onde morou de 1933 a 1937. Nessa cidade, Ariano fez seus primeiros estudos e assistiu pela primeira vez a uma peça de mamulengos e a um desafio de viola, cujo caráter de “improvisação” seria uma das marcas registradas também da sua produção teatral.
A partir de 1942 passou a viver no Recife, onde terminou, em 1945, os estudos secundários no Ginásio Pernambucano e no Colégio Osvaldo Cruz. No ano seguinte iniciou a Faculdade de Direito, onde conheceu Hermilo Borba Filho. E, junto com ele, fundou o Teatro do Estudante de Pernambuco. Em 1947, escreveu sua primeira peça, Uma Mulher Vestida de Sol. Em 1948, sua peça Cantam as Harpas de Sião (ou O Desertor de Princesa) foi montada pelo Teatro do Estudante de Pernambuco. Os Homens de Barro foi montada no ano seguinte...
Obras selecionadas
  • Uma mulher vestida de Sol, (1947);
  • Cantam as harpas de Sião ou O desertor de Princesa, (1948);
  • Os homens de barro, (1949);
  • Auto de João da Cruz, (1950);
  • Torturas de um coração, (1951);
  • O arco desolado, (1952);
  • O castigo da soberba, (1953);
  • O Rico Avarento, (1954);
  • Auto da Compadecida, (1955);
  • O casamento suspeitoso, (1957);
  • O santo e a porca, (1957);
  • O homem da vaca e o poder da fortuna, (1958);
  • A pena e a lei, (1959);
  • Farsa da boa preguiça, (1960);
  • A Caseira e a Catarina, (1962);
  • As conchambranças de Quaderna, (1987);
  • Fernando e Isaura, (1956)"inédito até 1994".

Alunos do 7º A e B matutino ano estudam fotografia


Trabalhar fotografia  proporcionou momentos de muita interação e aprendizagem entre os alunos do 7º ano A e B do turno matutino, os educandos puderam conhecer a história da fotografia durante as aulas teóricas e para concretizar tal aprendizado confeccionaram as câmaras escuras que fez um grande sucesso...


Câmera escura (do latim camara oscura) é um tipo de aparelho óptico baseado no princípio de mesmo nome, o qual esteve na base da invenção da fotografia no início do século XIX.

MATERIAL UTILIZADO:
01 CAIXA DE SAPATO
PAPEL SEDA BRANCO
PAPEL CARTÃO PRETO
COLA, TESOURA E FITA ADESIVA












Queridos alunos e alunas gostaria de parabenizá-los pelo excelente resultado e dizer que fiquei feliz e realizada, pois sei que vocês aprenderam sobre a história da fotografia na teoria e assim, mostram o resultado na prática!

quinta-feira, 18 de abril de 2013

18 de abril - Dia do Livro Infantil




Monteiro Lobato e alguns de seus personagens
O dia 18 de abril foi instituído como o dia nacional da literatura infantil, em homenagem à Monteiro Lobato.
“Um país se faz com homens e com livros”. Essa frase criada por ele demonstra a valorização que dava à leitura e sua forte influência no mundo literário.
Monteiro Lobato foi um dos maiores autores da literatura infanto-juvenil brasileira. Nascido em Taubaté, interior de São Paulo, em 18 de abril de 1882, iniciou sua carreira escrevendo contos para jornais estudantis. Em 1904 venceu o concurso literário do Centro Acadêmico XI de Agosto, época em que cursava a faculdade de direito.